Novidades e desabafos
Ter, 02/08/2016 - 00:54
Olá meus amigos e amigas. Já faz muito tempo que não venho aqui. Minha vida mudou muito entretanto. Em Agosto do ano passado engravidei e sou uma mamã muito babada com um filhote de 3 meses. Foi uma gravidez muito difícil, passei por momentos horríveis, desde o 3 mês de gravidez que me puseram de baixa devido a gravidez de alto risco, pois tinha líquido amniótico diminuído e o meu filho não conseguia ganhar peso...mas o pior deles foi quando as 28 semanas me deram me a notícia que o meu filho tinha gastroquisis e que teria que ser de imediato vista por médicos especialistas em Lisboa pois o meu filho corria risco de vida e à 2 vez que lá fui acabei por ficar internada pois a situação agravou-se e acharam por bem eu ser vigiada. Longe de família e amigos, sem conhecer ninguém ali fiquei até ter o meu filho, ao tinha visitas 1 ou 2 vezes por semana devido aos custos de viagem. Foi muito doloroso, e na altura eu só chorava pois culpava-me por o meu filho ter aquele problema. Até que dia 26 de Abril fui forçada ao parto por cesariana pois o meu filho não tinha conseguido se desenvolver dentro de mim como os esperavam. Assim que ele nasceu, vi ele passar nas mãos do médico com as vísceras expostas :'( eu não sabia se havia de sorrir ou chorar. Ele foi de imediato transportado numa ambulância e enviado para outro hospital onde uma equipa médica especializada esperava por ele e passado 2 horas de vida ele foi exposto a uma operação bastante delicada.
O processo de recuperação de cesariana não é fácil muito menos estando em outro hospital e nunca ter sentido o meu filho...tocado ou até ve-lo. E ver mães com seus filhos ... foi uma dor inexplicável. Acabou por ficar internado 1 mês e 15 dias e voltou para casa..depois de muitos altos e baixos. Está bem e estável. Mas a minha doença voltou me a estragar os planos e depois de noites sem dormir...choros e marido que não apoia o suficiente estou a voltar a sentir me depressiva. E desgastada...a minha psiquiatra receitou me de novo a medicação pois tive um episódio violento e tenho medo de não conseguir me controlar e fazer mal ao meu filho.
Não sei o que fazer , sinto me muito triste e sem forças. Ainda hoje meu marido só por o nosso filho ter tido um difícil teve uma atitude agressiva ao ponto de gritar e empurrar a mesa.
Esse ambiente também não me ajuda e ele não entende isso.
Bem desculpem o enorme desabafo..mas precisava de falar com alguém..já que fiquei sem vida social e quando tento falar com o meu marido ele ou grita, ou vira costas ou nem da importância ao que digo...

Beijinhos e as melhoras a todos.
Comentar
mostrar comentários (2)
esconder comentários (2)
Seg, 08/08/2016 - 02:20
Olá Liliana,

Antes de mais parabéns por seres uma mamã babada. Gostaria de ajudar explicando como ser mãe e bipolar ao mesmo tempo, mas não tenho filhos. Tenho, no entanto, amigos cuja mãe é bipolar, e eles, apesar de terem presenciado muito ao crescer, tornaram-se adultos responsáveis e boas pessoas. Acho que não estás a ser apoiada devidamente pelo teu marido, mas nisso não me meto. Posso simplesmente recomendar que procures um psicólogo ou psicoterapeuta para ajudar a que te mantenhas equilibrada. Fez maravilhas por mim, mais do que a medicação, que apesar de ainda tomar, já foi amplamente reduzida. Se temes pela segurança do teu filho nas tuas mãos, é importante que te foques no quanto o amas e procures alguém que te ouça, compreenda e ajude. Outro truque é a meditação. Eu faço meditação guiada com ajuda de material online e ajuda-me a relaxar.

Boa sorte e se precisares de falar estamos todos aqui.

Um beijinho e as melhoras.
Sex, 07/10/2016 - 07:35
Obrigada Nadine. Neste momento ele tem 5 meses e graças a Deus está tudo estável.
Penso que agora as coisas entre mim e o meu marido estejam melhores.

Já andei em psicólogos e enviaram me para psiquiatra.
E já uns tempos atrás praticava meditação e reiki mas desliguei me um pouco. Tenho que voltar ao activo. Obrigada Nadine pela paciência que tiveste ao ler o meu desabafo e pelo apoio.
Beijinhos e espero que se encontre bem. Tudo de bom.