Hipertensão

A hipertensão arterial é uma doença crónica caracterizada por elevados níveis de pressão sanguínea nas artérias. A organização mundial de saúde (OMS) definiu como normotensos indivíduos adultos com uma pressão arterial de 140/90 mmHg (milímetros de mercúrio).
Com frequência apenas um dos valores aparece alterado. Quando os valores da pressão arterial sistólica estão acima do normal diz-se que o doente surge de hipertensão arterial sistólica, quando os valores de pressão arterial diastólica estão acima do normal, o doente sofre de hipertensão arterial diastólica. Sendo o primeiro caso mais comum em idades mais avançadas.

Ainda não é conhecida uma causa para a hipertensão arterial, no entanto, aparece associado a um conjunto de doenças, como por exemplo, doença renal crónica, hiperaldosteronismo primário, paratiroideia, entre outras.
Quanto mais avançada for a idade maior a propensão para desenvolver hipertensão arterial, devido ao aumento da rigidez da parede arterial.
A hereditariedade é um factor que também contribui para vir a desenvolver hipertensão.

A hipertensão raramente apresenta sintomas, no entanto, os hipertensos podem sofrer de dores de cabeça principalmente na occipital (parte posterior da cabeça), tonturas, vertigens, zumbidos, que também são comuns a outras doenças. Com o decorrer dos anos a hipertensão acaba por lesionar os vasos sanguíneos e alguns órgãos vitais provocando diversos sinais e sintomas.

Obesidade, sedentarismo, má alimentação, stress, consumo exagerado de sal e álcool são alguns dos factores de risco.

A melhor forma de prevenir a hipertensão passa pela adoção de um estilo de vida saudável. Hábitos como ter uma alimentação saudável rica em frutas, vegetais e com baixo teor de gorduras saturadas, baixo consumo de álcool, redução da ingestão de sal, deixar de fumar, praticar exercício físico com regularidade, ter um peso saudável (Índice de Massa Corporal compreendido entre 20 e 25 kg/m2), ajudam a evitar problemas de hipertensão.
Todos os adultos, principalmente diabéticos, obesos, fumadores e pessoas com casos de patologias cardiovasculares na família devem medir regularmente os níveis de tensão arterial.

Um valor alto isolado não constitui por si só diagnóstico de hipertensão. Um individuo é considerado hipertenso se apresentar valores elevados em pelo menos 3 medições seriadas.
Apenas um médico poderá fazer o diagnóstico de hipertensão, dado que os valores de tensão arterial poderão variar devido a diversos fatores como, stress, ansiedade, esforço físico não significando que se deva a problemas de tensão arterial.

Não há uma cura para a hipertensão, no entanto, é possível controlar. Exercício físico como marcha, corrida, natação, danças, ou seja, exercícios que envolvem movimentos cíclicos e aeróbicos ajudam na diminuição da pressão arterial. Adoção de um estilo de vida saudável, diminuição do consumo de sal também ajuda a reduzir a hipertensão.
Em determinados casos é necessário recorrer a um tratamento farmacológico, no entanto, os medicamentos não curam a doença mas ajudam a controlar. Compete ao médico definir qual o fármaco mais adequado e avaliar sobre a necessidade de combinar com outro tipo de medicação.