Atividade grupo
Qua, 11/06/2014 - 19:19
Sendo a fibromialgia uma doença cronica,como é possível os membros de saúde,não a reconhecerem comotal? É revoltante.Não posso exercer a minha profissâo,nem tao pouco a minha vida doméstica,Não temos qualquer apoio nem a nivel de segurança social nem as entidades seguradoras assumem este tipo de doença,bem como a depresão crónica da qual também sofro,assim como outras patologias,incapacitantes.Olham como nós,como se nada tivessemos....O pior mesmo é o sofrimento que temos ,as dores diárias que não passam,pelo contrários,aumentam....
Comentar
mostrar comentários (6)
esconder comentários (6)
Qua, 11/06/2014 - 20:11
É de lamentar a incompreensão por parte dos profissionais de saúde em menosprezar esta patologia que tanto sofrimento físico e psicológico dá à pessoa como as limitações sociais que a mesma apresenta.
Qui, 12/06/2014 - 09:33
É um facto.acho que se esses qu se dizem de profissionais,se passassem um pouquinho daquilo que passamos,ou sejaserem um dia doentes com a nossa patologia, tenho a certeza que a sua atitude sria completamente inversa.
Qui, 12/06/2014 - 15:34
Clamariam por atenção porque não têm a mínima capacidade de resistência a esta patologia, já quem a possui vê-se OBRIGADO a conviver e a resistir à indiferença dos outros para não ter de sofrer ainda mais. Continuamos a trabalhar, a cuidar de quem mais amamos apesar das imensas limitações. Só é pena que ninguém consiga fazer o mesmo, nem que fosse por apenas um de nós.
Qui, 12/06/2014 - 17:11
Não poderia concordar mais com as suas palavras Patrícia! Nós vemo-nos obrigados a 'andar para a frente', muitas vezes com o sofrimento que só nós sabemos, para que não nos intitulem de preguiçosos, hipocondríacos, etc. Fico muito triste quando por vezes me vou mesmo a baixo e não consigo sair da cama, e nem sequer há um telefonema a perguntar se preciso de alguma coisa.....
Qui, 12/06/2014 - 19:20
Cristina Alves, a minha força está consigo e quero acreditar que entre pessoas com a mesma patologia seja mais fácil de nos sentirmos à vontade para falar até daquilo que evitamos falar ou em público ou com quem mais amamos. Eu sei que os maridos e namorados, (quando são realmente "H"omens) querem ajudar-nos mas ao mesmo tempo não sabem como e nem nós sabemos muito bem explicar. A fibromialgia mexe com todos os nossos sentidos, desde uma lágrima a um vão de escada que tenhamos pela frente. É difícil termos de nos "desenrascar", por assim dizer, a controlarmos o que se passa connosco de modo a que as pessoas à nossa volta se apercebam o menos possível e ao mesmo tempo termos de ajudar quem nos quer ajudar a ajudarmo-nos. Não sei se me faço entender... parece um pouco confuso mas é exatamente assim que eu vivo os meus dias.
Por um lado sinto que ninguém tem culpa de eu estar assim, por isso, e já que em muitas coisas tenho limitações, pelo menos quero dar um ambiente agradável a quem convive de perto comigo. Por outro lado, gostava de em certos momentos cair no colo de alguém e simplesmente deixar vir para fora tudo o que se acumula 24/24 horas e ninguém, repito, ninguém (exceto quem possui a patologia) se apercebe de tudo o que acontece no interior de cada um(a) de nós.
Deixo aqui uma palavra de conforto: "Nada é demasiado pesado para quem tem asas"! Com isto quero dizer que já suportamos tanta coisa diariamente que já somos autênticas guerreiras, mas sem armas!!!
Sáb, 19/07/2014 - 15:34
Olá Patricia espero que estejas melhor nós damos força umas hás outras. Um beijo força.