Atividade grupo
Qua, 27/08/2014 - 16:23
Como convivem com transtorno Borderline?
Depois de uma crise sinto-me num outro mundo muito melhor, mas....depois tudo volta a vir! As "crises" são uma válvula de escape, é a minha forma de sobrevivência emocional.
Comentar
mostrar comentários (6)
esconder comentários (6)
Qui, 28/08/2014 - 15:50
E o que é uma crise para ti?
Qui, 28/08/2014 - 22:45
Boa noite, eu não convivo bem, penso que ninguém o faz, mas o que é uma crise para ti?!
Qui, 28/08/2014 - 22:58
Eu até gostava de conviver com outras pessoas com o este transtorno, para saber como é o dia-a-dia de cada um. Hoje tive um dia péssimo, não sei lidar com as pessoas, tenho sempre uma maneira diferente de analisar as situações. Penso que os meus defeitos de caráter também não ajudam nada, depois, nasci e vivi durante os primeiros 18 anos da minha vida noutro país, mais desenvolvido que portugal e ainda hoje, apesar de já viver aqui quase 30 anos, tenho imensas dificuldades em me adaptar a esta mentalidade. A falta de frontalidade e a mentalidade retrógada e mesquinha das pessoas incomoda me deveras e, quanto mais pequeno é o meio pior.
Sex, 29/08/2014 - 15:06
Uma crise é uma sensação de vazio, de não existir, uma grande ansiedade, pensamento e vontade de suicídio constante, sinto uma profunda falta de esperança. Fico agressiva verbalmente, impaciente, irritada com tudo e com todos.

Surgem momentos muito confusos...há momentos que eu não consigo identificar se realmente aconteceram ou se foi sonho/pensamento meu... isto já aconteceu a alguém?
É muito estranho! Há alguns acontecimentos graves na minha cabeça que eu não consigo dizer se aquilo aconteceu na realidade ou não...é uma grande confusão!

Uma "crise" é um salto em queda livre para um buraco escuro, sombrio e infinito!

Concordo plenamente contigo Michaela..quanto mais pequeno o meio, pior! Às vezes temos de ligar o modo auto-controlo e ignorar muita coisa ! ;-)

O meu dia a dia é por vezes uma montanha de emoções e sentimentos, por vezes uma confusão!
Sex, 29/08/2014 - 19:28
Eu agora estou a sentir um bocado a outra face da situação porque sou enfermeira, já lidei com utentes com o nosso problema e agora estou a enfrentá-lo como utente.
A instabilidade constante é o que marca este disturbio, conseguimos sentir a maior felicidade e o maior vazio no mesmo dia.

Não sei se estamos a falar do mesmo mas eu tenho momentos em que me sinto tão vazia que parece que estou apenas a pairar ali e a ver os outros viver.

Todos temos que vestir outras identidades ao longo do dia e da vida, so que para nos isso cria uma instabilidade de tal ordem que reagimos impulsivamente e, quase sempre, dá asneira...
Sáb, 30/08/2014 - 13:24
Olá, consegue trabalhar e como enfermeira sofrendo de TPB, eu não tenho conseguido trablhar nestes últimos anos, ou pelos menos, não, regularmente, ser disciplinada e lidando com pessoas e ter que cumprir horáros e etc., como faz isso??!!