Artigo

03 Set, 2013

Um estudo desenvolvido na Universidade de Nottingham, em Inglaterra, está a desenvolver uma análise ao sangue que permitiria detetar Alzheimer em estádios iniciais da doença.
Se conseguirem chegar a uma forma de tornar estas descobertas praticáveis, seriam possíveis diagnósticos precoces, o que permitiria, consequentemente, melhores tratamentos a pessoas com Alzheimer.

Como funcionaria?

Esta análise permite distinguir uma pessoa com Alzheimer de uma pessoa saudável, através da identificação de marcadores no sangue.
Algumas proteínas têm sido associadas a esta doença, tais como amiloide e apo lipoproteína E e, por isso, estão a ser usadas nesta análise ao sangue para ajudar a detetar se a pessoa tem Alzheimer.
Através de uma análise feita ao sangue de pessoas portadoras da doença, pôde verificar-se outros marcadores, tais como proteínas relacionadas com a inflamação.
Desta forma, seriam todos estes marcadores que, uma vez presentes no sangue, permitiriam concluir que a pessoa tem Alzheimer.

Em quanto tempo seria possível ter esta análise ao sangue disponível?

O professor Kevin Morgan da Universidade de Nottingham afirma que, apesar destas descobertas serem muito entusiasmantes, este teste tem que ser validado primeiro e poderia levar cerca de 10 anos antes de poder ser usado em pacientes.

Em que poderiam beneficiar os pacientes com esta análise?

Esta análise ao sangue permitiria aos pacientes ter um diagnóstico definitivo, o que nem sempre é possível na atualidade e de uma forma facilitada, pois, uma análise sanguínea é algo bastante simples.
Esta análise poderia também avaliar o risco de Alzheimer, mesmo antes dos sinais surgirem. Isto é, após a análise ao sangue, esta poderia ter 3 resultados:
• A de que a pessoa não tem Alzheimer
• A de que a pessoa tem médio risco de vir a desenvolver Alzheimer
• A de que a pessoa tem alto risco de vir a desenvolver Alzheimer
Esse teste permitiria um tratamento precoce dos pacientes, pois, no caso de terem médio ou alto risco poderiam fazer outros testes para ir avaliando a sua condição de saúde ou serem encaminhados para um especialista na área.

Fonte: BBC News