Artigo

05 Set, 2013

O implante foi apresentado num estudo publicado em Nanomedicine: Nanotechnology, Biology and Medicine e foi criado para substituir uma parte do cérebro. Este é feito de um material usado para implantes de quadril mas transparente e é já chamado de “janela para o cérebro” pelas vantagens que poderá trazer, no que diz respeito a exames e tratamentos no cérebro.

Aplicabilidade do implante

Este implante poderá ser usado para exames e tratamentos de uma forma mais fácil e com menos riscos, pois, este permitirá aos médicos uma visibilidade do cérebro que de outra forma não seria possível.
Por exemplo, os lasers para tratamento de distúrbios neurológicos poderão ser aplicados no cérebro com mais precisão, podendo reduzir os riscos do tratamento.
Outros exames como tomografias, lasers para tratamentos de cancros e outros exames e tratamentos precisam cada vez mais de visualização para o interior do cérebro e, nestas situações, é comum o recurso a remoções de parte do cérebro.
Estas cirurgias com remoção de parte do cérebro são chamadas de craniectomias pela falta de visualização e acesso ao cérebro. Este implante pretende ser uma substituição a esta intervenção na maioria dos casos, no entanto, é necessário encontrar soluções clínicas viáveis para que possa ser concretizável com sucesso.

O implante

O implante é feito de zircônia estabilizada com ítria, que é um material usado em alguns implantes para quadris e coroas dentárias. Este é transparente e implantado no couro cabeludo, podendo ser temporário ou permanente.
Um dos aspetos mais interessantes é que permite a aplicação de lasers em várias partes do cérebro, quer sejam superficiais ou mais profundas.

Fonte: BBC (http://www.bbc.co.uk)