Artigo

30 Set, 2014

O Lúpus é uma doença que consiste numa inflamação crónica do organismo que pode afetar os órgãos do corpo humano, podendo ser: eritematoso sistémico, eritematoso cutâneo, eritematoso induzido por drogas ou neonatal.

O Lúpus eritematoso sistémico pode incidir sobre qualquer órgão. Por sua vez, o Lúpus eritematoso cutâneo afeta essencialmente a pele.O lúpus eritematoso induzido por drogas ocorre devido ao uso de determinadas drogas ou medicamentos, apresentando sintomas muito semelhantes com o lúpus eritematoso sistémico. O lúpus neonatal não é uma verdadeira forma de lúpus, sendo uma condição muito rara que afeta bebés de mães com lúpus e é causada por anticorpos da mãe que atuam sobre o bebé no útero.

A sintomatologia da doença pode afetar qualquer região do corpo humano, variando de pessoa para pessoa. Assim, o Lúpus é uma doença difícil de diagnosticar e incurável, mas tratável através de determinados cuidados e medicamentos. Para lidar com esta doença, ou ajudar alguém que padeça da mesma, é necessário conhecer bem a patologia.

Causas

O Lúpus resulta do mau funcionamento do sistema imunitário do organismo que deixa de reconhecer as suas próprias células e, como tal, começa a combatê-las como se fosse uma infeção. Neste sentido, o Lúpus trata-se de uma doença autoimune pois, para além de o organismo não ter as defesas necessárias para combater infeções, ainda se combate a si próprio.
As causas do Lúpus depende do tipo, mas ainda não são totalmente conhecidas, mas os investigadores adiantam algumas hipóteses:

  • Predisposição genética
  • Stress
  • Exposição solar
  • Vírus
  • Substâncias químicas
  • Problemas hormonais

Esta doença pode afetar pessoas de todas as idades, raças e sexos. No entanto, o estrato social mais afetado pela doença é representado pelas mulheres entre os 15 e os 40 anos de idade, principalmente africanas e asiáticas. Embora não seja uma doença contagiosa ou maligna, é uma doença crónica e não tem cura, havendo tratamentos para os sintomas manifestados pela doença, que visam melhorar a qualidade de vida e o bem-estar dos doentes de Lúpus.

Sintomas e riscos

Dado que a doença de Lúpus pode afetar qualquer órgão do corpo humano, pode manifestar-se através de diferentes sintomas. Os sintomas mais comuns nos casos relatados são:

  • Manchas rosadas e escamas na pele
  • Dores reumáticas em determinadas partes do corpo
  • Sensibilidade aos raios solares
  • Erupções bucais e nasofaríngeas
  • Dores de cabeça
  • Fadiga persistente
  • Alterações ao nível dos pulmões e do coração
  • Alterações do sistema nervoso
  • Problemas renais
  • Perda de peso
  • Queda de cabelo

Como é possível verificar, estes sintomas podem ser característicos de qualquer outra doença. Por este mesmo motivo, é necessário realizar um conjunto de exames médicos para diagnosticar corretamente um caso de Lúpus.

Diagnóstico e exames

O diagnóstico da doença de Lúpus deve basear-se no histórico clínico do paciente, em dados clínicos e em dados laboratoriais. No entanto, é uma doença difícil de diagnosticar pelo facto de a sintomatologia poder apontar para outras doenças.
Uma das análises laboratoriais mais utilizadas no diagnóstico desta doença é o ANA (Anticorpo Antinuclear), no entanto, mesmo que o paciente tenha um resultado positivo no exame, os sintomas podem nunca chegar a manifestar-se. Por outro lado, um resultado positivo no teste ANA e a presença dos indícios característicos da Lúpus, podem confirmar a presença da doença.
Outros exames que permitem apurar o diagnóstico da doença Lúpus são:

  • Exames de anticorpos
  • Hemograma
  • Componentes C3 e C4 do complemento
  • Teste de Coombs direto
  • Teste crioglobulinas
  • Radiografia do tórax
  • Taxa de sedimentação de eritrócitos (TSE)
  • Exames de sangue para avaliação da função renal
  • Exames de sangue para avaliação da função hepática
  • O teste de fator reumatóide (FR)

Tratamentos

Lúpus é uma doença crónica e, como tal, não tem cura. No entanto, existem medicamentos que permitem atenuar os efeitos indesejáveis da doença e permitir algum conforto e qualidade de vida aos pacientes.
Existem dois tipos de medicamentos mais comummente usados no tratamento do Lúpus: os redutores da inflamação dos tecidos afetados e os inibidores de anormalidades do sistema imunológico.
Outros medicamentos utilizados para as complicações causadas pela Lúpus são: os medicamentos para a retenção de líquidos, para a hipertensão, para as convulsões e os antibióticos. Os anti-inflamatórios também são utilizados, mas apenas para aliviar os sintomas da inflamação. Para os efeitos cutâneos existem pomadas com corticoides que devem ser aplicadas em finas camadas sobre a pele, aliviando o desconforto da zona.
Quando existem complicações mais sérias, como a nefrite lúpica ou os distúrbios neurológicos, pode ser aplicada a quimioterapia.
É fundamental evitar a exposição prolongada ao sol e usar sempre roupa protetora, protetor solar e óculos de sol, pois os investigadores acreditam que os raios UV são um dos principais potenciadores da doença.

Prognósticos

Com a medicina e os tratamentos atuais, os doentes de Lúpus têm manifestações dos sintomas cada vez mais leves e controláveis.
A recuperação dos sintomas da doença depende da gravidade e da rapidez no combate dos mesmos. No entanto, é necessário ter os cuidados necessários com a exposição solar, tomar a medicação prescrita pelo médico sem desleixos e estar atento aos sintomas que a doença manifesta, informando sempre o médico.

Em Portugal existe a Associação de doentes com Lúpus que tem como objetivos o apoio a doentes e suas famílias com lúpus, promover os direitos dos doentes com Lúpus, entre outros