Olá Mister Ti :)A minha p
Sáb, 08/08/2015 - 22:03
Olá Mister Ti :)

A minha psicose também é de tipo paranóica. No outro dia perguntei `a minha psicóloga se o meu diagnóstico era psicose paranoide mas ela disse-me que o termo já não se utilizava. Fiquei sem perceber. Será que sou esquizofrenia? Espero que não.

Dizes que em 2013 tiveste o teu primeiro surto e que em 2015 tiveste novo surto. São, portanto, questões ainda muito recentes para ti. Deves estar assustado...

Eu tive o meu primeiro surto psicótico em 2005, o segundo em 2006 e o terceiro em 210/2011. Depois do segundo surto também fiquei muito assustada. Perdi o interesse em tudo, parecia que as coisas de que tinha gostado até então já não me diziam nada. Parecia que a única coisa relevante na minha vida era a doença e o medo de adoecer. Parecia que tinha deixado de ser eu. Acho que só ultrapassado essa fase com o terceiro surto psicótico, em finais de 2010/ princípios de 2011. Nessa altura estive em hospital de dia no serviço de psiquiatria onde sou acompanhada. E também resolvi interiormente algumas questões pendentes. Devagarinho comecei de novo a interessar-me pelas coisas que antes da psicose tinham significado para mim... E voltei a reconhecer.me.

A minha médica contou-me que um doente dela está sem novos surtos há já vários anos... Talvez eu consiga aguentar-me também sem novos surtos, quem sabe.

Quanto `a socialização, não te posso ajudar já que não é o meu forte. Se exceptuarmos a minha família, não me dou com ninguém. Mas sempre fui assim. Até que desisti.Fazes bem deixar as drogas - mesmo as drogas ditas leves. De certa forma elas abrem uma caixa de Pandora: para quem já tem uma predisposição genética para a psicose, as drogas fazem a pessoa dar o salto para o outro lado, o lado da loucura e do caos.

A apatia e a falta de vontade para as coisas podem ser causadas pelos medicamentos, assim como podem ser por estares assustado e magoado pelo facto de teres uma doença. Aos poucos tenta recuperar os teus interesses. A doença não é o fim do mundo (nem é o fim da vida) e é controlável.

Um último conselho apenas em relação `a risperidona: controla o teu apetite e não te deixes engordar. Se controladas o apetite não engordas, uma vez que o aumento de peso tem a ver com a diferença entre as calorias consumidas e as calorias necessárias, sendo que a medicação por si só não engorda.

Não Desesperes. Vai escrevendo por aqui.